VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA PÓS EXTUBAÇÃO DE PACIENTES EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Camila Potel Merino Campusano
Bruna Guarnieri
Rosiane Brito
Augusto Cruz
Tais Aparecida de Oliveira Forner
Paulo Campos

Resumo

A reintubação é considerada uma complicação para os setores de Terapia Intensiva Adulto, aumentando o tempo de internação e até mesmo reduzindo a sobrevida. Acredita-se que a Ventilação Não Invasiva (VNI) possa contribuir para prevenir estes eventos. Objetivos: O presente estudo pretende analisar o uso da VNI neste cenário e os possíveis benefícios a respeito dessa modalidade como estratégia terapêutica após extubação planejada. Métodos: Realizou-se uma revisão de literatura com o levantamento de 1442 artigos sobre o tema, entre 2013 e 2018 nas bases de dados Pubmed e PEDro. Após os critérios de inclusão, 07 artigos foram avaliados. Resultados: Dos ensaios clínicos encontrados, cinco foram favoráveis ao uso da VNI em relação ao grupo controle após extubação, com resultados interessantes na redução de falha de extubação, da taxa de reintubação, redução dos casos de Insuficiência Respiratória Aguda, assim como de Pneumonia Associada à Ventilação, diminuição do tempo de internação em UTI, e até mesmo melhora da taxa de mortalidade. Um estudo relacionou valores altos de VNI com falha de extubação, e um artigo considerou o Cateter Nasal de Alto Fluxo semelhante à VNI na prevenção de reintubação. Conclusão: observou-se que a VNI como alternativa terapêutica após a extubação, mostrou-se eficaz através dos resultados dos estudos, considerando os benefícios que tal tratamento ofereceu aos pacientes.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Seção
Artigos